Amazon Prime Air promete serviço de entrega em menos de 30 minutos

Amazon Prime Air promete serviço de entrega em menos de 30 minutos

Se você é daquelas pessoas que fica ansiosa esperando que a sua encomenda chegue logo e atualiza várias vezes o site para ver aonde a sua entrega está, temos uma boa notícia para você. O novo programa de fornecimento via drone da Amazon, o “Amazon Prime Air”, um serviço de entrega futuro onde os pacotes pesando menos de 5 libras (2,26 kg) serão entregues à sua porta (ou área de pouso designada) em até 30 minutos. Mas, muita calma pessoal, esse serviço será disponibilizado apenas nos Estados Unidos em um primeiro momento. Enquanto a “Amazon Prime Air” ainda não entra em prática, a empresa lançou um vídeo humorístico detalhando como a entrega via drone irá funcionar. Confira:

O drone eleva-se verticalmente a 400 pés, semelhante à forma como um helicóptero se comporta quando decola. Em seguida, ele muda para o “modo avião”, deslocando-se horizontalmente. Quando chega ao seu destino, o aparelho faz uma varredura da área, preparando um espaço de pouso claro, deixando então cair o pacote.

O vídeo passa a acrescentar que, em algum momento, haverá diferentes tipos de drones, dependendo do ambiente de entrega e tipo de embalagem. E para aqueles preocupados com um céu cheio de drones batendo em coisas, não se desespere. Esses drones terão um sensor para manterem-se longe de outros objetos, tanto no céu quanto na terra.

drone1

A Amazon ainda tem alguns problemas para lidar, antes de colocar em prática a entrega via drone. Em primeiro lugar, existem obstáculos regulatórios, inclusive com a Federal Aviation Administration (FAA), quando se trata de colocar qualquer coisa no ar. Depois, há as questões logísticas.  A Amazon faz uma incrível quantidade de entregas por semana. Isso quer dizer que eles irão encher o céu com drones? Por agora, a Amazon está trabalhando apenas no projeto drone, oferecendo ideias para o FAA e outros conselhos reguladores sobre como fazer o trabalho Amazon Prime Air. Portanto, não precisamos olhar para o céu ainda.


O que você acha?